Artigo

Responsabilidade compartilhada


Quando se menciona consultoria de gestão muitos ainda se assustam:minha empresa não precisa dissonão preciso de ninguém que me diga o que eu já seipreciso de alguém que façaesperava maior resultado... E por aí vai. Observações como estas são comuns quando não se tem noção da responsabilidade de uma consultoria dentro da empresa. Portanto, o que uma consultoria faz?

 

É fundamental esclarecer que existem vários tipos de consultorias,voltadas a melhorias ou modificações de processos, sejam produtivos, administrativos, financeiros, além de adequações à legislação, implantação de certificações e assim por diante. A consultoria voltada à gestão é justamente aquela que procura orientar na maneira como a empresa está sendo conduzida.

 

Em todos os casos o objetivo da consultoria é promover mudanças. Este é um ponto fundamental para o entendimento. A mudança na gestão sempre envolverá os próprios gestores, sejam gerentes, diretores ou proprietários. Neste caso, não é possível delegar a mudança, mas sim, estar envolvido e ciente desta condição para que todo o staff passe a se engajar na mesma causa e siga na mesma direção. Este é o ponto crucial na consultoria voltada à gestão: o gestor quer a mudança, mas nem sempre ele quer fazer parte dela. Logo, diante do impasse a alternativa mais cômoda é deixar tudo como está. Permanecendo na “zona de conforto” há uma sensação de “alívio” e de falta de “pressão”. A partir daí, podem surgir alterações paliativas, pontuais, que promovem modificações sutis, mas que poderãotrazer resultados aquém do esperado e não melhorar a configuração gestora já implantada no negócio.

 

Por outro lado nem sempre as mudanças que uma empresa necessita na gestão são complexas, que exigem um alto grau de entendimento e uma dose elevada de envolvimento. Cada empresa tem sua cultura e há nuances na forma de como é conduzida. Compreendê-la e respeitá-la é essencial para a assertividade do trabalho. Sendo assim, mudar está relacionado a dois pontos fundamentais: o comportamento dos gestores, ou seja, manter a sua postura frente às adequações na implantação no dia-a-dia junto à equipe e, o segundo, o respeito às regras que foram definidas, evitando alterá-las depois conforme a conveniência.

 

Junto a tudo isso está o fator tempo, que é o período de maturação para que as adequações implantadas criem raízes e passem a fazer parte do empreendimento. Cada empresa tem seu período de implantação, absorção e assimilação. Não estar atendo a esta necessidade pode tornar em vão todo o investimento promovido até então. É como querer degustar um vinho nobre feito de uma uva que acabou de ser colhida. Ele não terá o mesmo sabor, o aroma e nem a textura que o tornou tão apreciado.

 

Quando se trata de empresa, o melhor resultado é sempre obtido pelo soma dos fatores, considerando o conjunto e não apenas pontos isolados.Conhecimento, experiência, habilidade e metodologia são pontos relevantes para que uma consultoria possa conduzir o trabalho, mas ele é feito em parceria com os gestores, porque somente desta forma as mudanças necessárias podem realmente ocorrer e alcançar o resultado esperado.
 

Jamir Booz – jamir@nivel10consultoria.com.br

Consultor e sócio da Nível 10 Consultoria Empresarial.
Formado em Publicidade e Propaganda pela FURB.
Pós graduado em Gestão Empresarial , ICPG.
Publicado em 04 de setembro de 2012. 

 



Publicado em 04/09/2012 13:05:46