Notícias

Diagnóstico Empresarial otimiza gestão do negócio


Uma dor pode sinalizar um problema de saúde. Por outro lado, a ausência de sintoma não garante que está tudo certo.  Por isso, a orientação é trabalhar a prevenção, visitando o médico regularmente. As empresas seguem essa mesma lógica. Uma dificuldade pontual pode esconder um problema organizacional que arrisca virar um gargalo para o lucro ou até mesmo pode inviabilizar o negócio. E o que parece certo ou simples pode ser ilusão. Neste caso, o certo é fazer um raio-x da gestão, analisando seu grau de maturidade e, se preciso, identificando a origem dos problemas para saná-los com ações sistematizadas. O nome deste processo é Diagnóstico Empresarial.

 

A consultora e sócia da Nível 10 Consultoria Empresarial, Adriana Moser, explica que o diagnóstico é um serviço recomendado para empresas de qualquer porte, uma vez que proporciona segurança à gestão através da avaliação da performance dela num determinado espaço de tempo. “O trabalho pode ser feito nos últimos seis meses, no último ano, nos últimos dois anos ou até mesmo em uma coleção, no caso de uma indústria de confecção, por exemplo”, explica. “Levantamos, calculamos e avaliamos os indicadores financeiros e comerciais, a depender da demanda do cliente. Após a análise, elaboramos um plano de ações que visa corrigir rotas”, completa.

 

De acordo com Adriana, muitas empresas não sabem como está a margem de lucro, têm dificuldade para analisar o custo de produto ou até mesmo não separam despesas fixas e variáveis. Mas o diagnóstico não age apenas na área financeira. Através deste trabalho, é possível avaliar todos os setores da empresa.

 

Na área administrativa, por exemplo, é possível identificar se há descontrole nas compras, excesso de estoque, insatisfação da equipe ou até acúmulo de função para algum profissional. Na área comercial, o diagnóstico pode avaliar a política adotada, levantando eventuais ajustes a serem realizados com vistas a vender mais ou fidelizar melhor. 

 

Para Julian André Chiquera, da Escriforte Móveis para Escritório, de Indaial, o diagnóstico fez com que a negócio ficasse em suas mãos. “Hoje posso dizer que conheço a loja”, conta ele, que contratou o serviço por duas vezes e analisou cada setor da empresa. Julian revela que sentia a necessidade de saber se estava no rumo certo para alicerçar o trabalho, pensando no crescimento. A estratégia deu certo. Hoje, a Escriforte tem segurança na gestão e planeja uma reestruturação em 2014, quando deve ampliar o atendimento para todo o Estado com atendimento voltado a clientes corporativos.

 

Básico e relevante

 

Adriana conta que até mesmo questões consideradas básicas, como público-alvo e foco são corrigidas durante um processo de Diagnóstico Empresarial. “Há empresários que confundem faturamento e aumento nas vendas com lucratividade e assertividade. Muitas vezes eles estão trabalhando o nicho errado, o que certamente vai virar um problema num médio espaço de tempo”, esclarece ela, lembrando que 60% das empresas fecha no primeiro ano por problemas assim.  

 

A consultora explica que a realização do Diagnóstico Empresarial não obriga a contratação da consultoria que o executou para a fase de implantação e acompanhamento das ações. “Muitas empresas contratam apenas o diagnóstico, serviço que tem remuneração compatível com o porte da empresa”, salienta Adriana, ressaltando que o processo deve ser executado por profissionais qualificados.

 

Vamos fazer um Raio-x?

 

 Área financeira

  • Como é apurado o resultado da empresa?
  • Qual o impacto da inadimplência?
  • Tudo certo com o fluxo de caixa?
  • As receitas de médio prazo estão impactando o capital de giro?

 

Área Comercial  

                                                                              

  • Há uma política de preços e processos definida?
  • A equipe tem total conhecimento desta política?
  • Os relatórios e indicadores são avaliados com frequência?
  • A premiação está de acordo com as estratégias comerciais?

 

Área de Compras

 

  • Quais são os critérios de resuprimento?
  • Você sabe quais são os itens mais vendidos?
  • O estoque está ocioso?
  • Há critérios de avaliação dos fornecedores?

 

Setor Pessoal

 

  • A empresa tem organograma definido?
  • Há acúmulo de funções?
  • Com que frequência se faz pesquisa de clima organizacional?
  • Existe uma política de retenção de pessoas?

 

Direção

 

  • Existe um planejamento estratégico?
  • A empresa faz plano orçamentário?
  • Com que frequência se faz reuniões de coordenação?
  • As decisões são muito centralizadas?

 

Fonte: Assessoria N10

Publicado em 26/02/2014 10:07:38
Comentários ( 0 )
DEIXE SEU COMENTÁRIO: